Articulações do Corpo Humano

O sistema articular é constituído por articulações, isto é, por um ponto de contato com os ossos, e pelo fato deste contato ser denominado antigamente como juntura, surgiu a expressão ‘dor nas juntas’. Em todo o corpo humano existem inúmeras e diferentes articulações, sendo que é possível encontrar umas mais fortes e imóveis do que as outras, as denominadas sinartroses, e também as que proporcionam maior movimento e flexibilidade, as diartroses e anfiartroses.

Em relação a sua estrutura, as articulações podem ser classificadas em fibrosa (imóveis), a qual possui ossos unidos por um tecido conjuntivo fibroso; em cartilaginosa (com pouco movimento), que são ossos unidos pela cartilagem; e em sonivial (com muito movimento), as quais possuem um espaço entre os ossos e são envolvidas pelo líquido sinovial. Qual é a função das articulações?

As articulações são fundamentais para o nosso corpo, pois devida a capacidade de realizarmos diferentes movimentos e estes movimentos geram atritos, e para amenizá-los existem as articulações, sobretudo, as articulações com bolsas sinoviais. Estas bolsas de líquido sinovial atuam literalmente como amortecedores de impacto entre as articulações, estando elas localizadas entre a pele e osso, e nas regiões em que há atrito entre as partes, entre os tendões, entre os músculos, entre os ossos e também entre os ligamentos e os ossos.

É importante que as articulações estejam saudáveis para prevenir dores e artrite, por exemplo. Para repor o colágeno e magnésio no corpo, e trazer benefícios como restauração das células e articulação, aumentar a densidade e elasticidade, regenerar os tecidos, entre outros benefícios, confira a Bula de FlexxMais. Esse suplemento é totalmente natural e proporciona flexibilidade óssea.

Características das articulações

As articulações também podem ser classificadas quanto a sua função, podendo assim ser monoaxial (movimento em apenas um eixo), biaxial (movimento em dois eixos) ou triaxial (movimento em três eixos). Podem ainda ser classificadas quanto a sua morfologia, como: plana, trocóide, elipsóide, esferóide, gínglimo, condilar e selar. Para sua maior compreensão, veja os tipos das articulações logo abaixo com suas respectivas características:

  • Sindesmose: É uma articulação fibrosa, que possui grande quantidade de tecido conjuntivo, possui ligamento interósseo.
  • Gonfose: É uma articulação fibrosa, que está presente entre os dentes e o alvéolo dentário.
  • Sincrondrose: É uma articulação cartilaginosa, pode ser interóssea ou intraóssea.
  • Sinfíse: É uma articulação cartilaginosa, com tecido interposto.
  • Articulações sinoviais: São articulações diartroses (com muito movimento) presentes no esqueleto apendicular (esqueleto composto basicamente pelos membros superiores e inferiores).

Todas as articulações sinoviais apresentam os elementos essenciais e podem ter os elementos não essenciais. Os elementos essenciais são: superfície articular, cartilagem articular, capsula articular, membrana sinovial, líquido sinovial e ligamentos. Já os elementos não essenciais são: lábios, disco articular e o menisco.

Alimentação do bebê

Muitas mães e também pais não sabem ao certo quando começa a alimentação do bebê, sendo que o estímulo da ingestão precoce para os alimentos sólidos pode resultar em distúrbios alimentares, como por exemplo, perturbação e conflito no momento do apetite e até mesmo intolerância digestiva e amenização da absorção dos nutrientes do leite materno, o qual deve ser mantido até os seis meses, no mínimo.

Além disso, a alimentação precoce do bebe pode resultar no aparecimento de sobrealimentação que provoca a obesidade, mas assim como a alimentação precoce, a alimentação tardia pode resultar em problemas, como desacelerar o crescimento e diminuir a resistência imunológica do bebê.

Desta forma, é preciso que os pais saibam que ao longo dos seis meses de idade os bebês não necessitam ingerir nenhum tipo de alimento sólido quando alimentados através do peito, mas se desejar, pode-se começar a estimular a deglutição de alimentos semi-sólidos aos quatro meses de idade, caso o bebê seja alimentado por leite “artificial”.

Quando começar com a alimentação em papinha?

O momento certo de começar a introduzir alimentos sólidos na refeição do bebê depende de suas necessidades nutricionais ou/e sua vontade de comer. Então, com o que complementar a dieta do bebê? É preciso lembrar de que o leite materno não pode ser substituído por alimentos sólidos, já que estes devem ser introduzidos como complementos na alimentação do bebê, assim, se possível mantenha o leite materno até os dois anos de idade.

Quais alimentos devem ser utilizados para fazer papinha?

Os novos alimentos para a criança devem ser introduzidos de forma gradativa, isto é, um alimento por dia, e observando a tolerância da criança, sendo que as papinhas de frutas podem ser oferecidas duas vezes ao dia, e quanto às papinhas de sal devem ser oferecidas apenas no horário do almoço ou jantar, por exemplo.

Lembre-se de que as papinhas não devem ser muito moles, pois você deve estimular a mastigação e os dentes que estão começando a serem formados, assim é indicado que você amasse e não coloque para liquidificar os alimentos, e com o passar do tempo, passe a picá-los.

É recomendado também, que as papinhas de sal contenham proteína vegetal (lentilha, feijão, soja, grão de bico ou outros), proteína animal (ave ou carne), energia (arroz, mandioca, batata, inhame, angu ou macarrão) e, vitaminas, fibras e minerais (brócolis, taioba, couve-flor, abobrinha, espinafre, cenoura, couve e outras).

Cuidados na hora de dar a papinha para seu bebê

Lembre-se de que as refeições do bebê devem ser realizadas em um momento agradável e se possível no mesmo horário todos os dias, acompanhada de uma atividade prazerosa. No entanto, é preciso que a mãe não permita que o bebê realize outras atividades durante a alimentação, como correr, brincar, assistir TV, enfim, hora de comer é de comer.